CLÍNICA   EXAMES   CONTACTOS
 
  Clínica de Ecografia
  Exames (Obstetrícia)  
Clínica de Ecografia
Rastreio Precoce de Síndrome de Down (e outras cromossomopatias)
 
O rastreio precoce de cromossomopatias é actualmente aceite como o melhor meio de rastreio pré-natal de trissomia 21, com taxas de detecção elevadas (90-95%) e com taxas de falsos positivos reduzidas (3-5%).
 
Este teste combina valores de parâmetros bioquímicos (B-HCG e PAPP-A) com parâmetros ecográficos e ocorre em 2 fases:
 
- Rastreio bioquímico (1º Trimestre) - efectuado das 9 às 13+6 semanas (idealmente da 9ª à 10ª semana); é colhido sangue da grávida para medição de 2 hormonas da placenta (B-HCG e PAPP-A)
- Ecografia (1º Trimestre) - efectuada entre as 11-13+6 semanas (idealmente às 12 semanas), normalmente por via abdominal sendo avaliada: a medição de translucência da nuca, a presença ou ausência do osso nasal e os marcadores ecográficos secundários (ductus venoso e regurgitação da válvula do tricúspide)
 
Logo após a realização da ecografia, é calculado (através de um programa informático) qual o risco do seu bebé ter Síndrome de Down ( ou outras cromossomopatias). O cálculo de risco tem em conta a idade da mãe (na altura do parto), os parâmetros bioquímicos e ecográficos.
 
O resultado do rastreio não lhe dirá com total certeza se, efectivamente, o seu bebé tem Síndrome de Down (detecção é de 90-95%) mas servirá para ajudá-la a tomar uma decisão informada sobre se pretende ou não fazer um teste mais invasivo, nomeadamente a amniocentese.
 
O desejo de prosseguir com um teste invasivo é pessoal mas, como orientação geral, este é aconselhado quando o risco é igual ou superior a 1 em 300.
 
A avaliação do risco de Síndrome de Down (e de outras doenças cromossómicas) contínua na ecografia de 2º trimestre onde são observados outros marcadores ou sinais ecográficos.
Ecografia de 1º Trimestre (11 - 13+6 sem)
 
Esta ecografia é realizada entre as 11-13+6 semanas (idealmente 12 semanas) e além do rastreio do Síndrome de Down (e outras cromossomopatias) permite também:
 
Detectar com precisão a idade gestacional
Este facto é particularmente importante para as mulheres que não se conseguem lembrar exactamente da data da última menstruação, possuem ciclos regulares... Medindo o tamanho do feto, a idade gestacional e consequentemente a data provável do parto pode ser determinada com maior exactidão.
 
Diagnosticar a existência de uma gravidez múltipla
Aproximadamente 2% das gravidezes ocorridas naturalmente e 10% daquelas que são alvo de um qualquer processo de procriação medicamente assistida, são gravidezes múltiplas.
 
Avaliação de viabilidade do feto
Infelizmente, em cerca de 3% das mães que se apresentam para realizar a ecografia do 1º trimestre, verifica-se que o feto morreu, frequentemente várias semanas antes de aparecer qualquer sinal. Sempre que esta situação se verifica, os casais receberão aconselhamento sobre as possíveis causas deste problema bem como das medidas que futuramente possam vir a ser necessárias.
 
Diagnosticar precocemente a existência de grandes anomalias fetais
Em cerca de 1% das gravidezes, o feto possui uma grande anomalia (da cabeça, do cérebro, da pele, do tórax, do abdomen ou dos membros) que pode ser detectada durante este periodo. Estas anomalias podem ser incompatíveis com a vida ou implicar uma deficiência futura importante.
 
Fazer o rastreio de determinadas malformações fetais
Cardiopatias/síndromes genéticos (translucência da nuca).
Espinha bífida e outros defeitos graves do tubo neural (translucência Intra-craniana).
Ecografia de 2º Trimestre / Morfológica (20 - 24 sem)
 
É uma das ecografias mais importantes da gravidez.
 
- Estuda detalhadamente a anatomia fetal, prestando especial atenção ao cérebro, face, coluna (tubo neural), coração, pulmões, estômago, intestino, figado, rins, bexiga e membros, a placenta, o cordão umbilical e a avaliação do liquido amniótico.
 
- Avalia os marcadores / sinais ecográficos de cromossomopatias do 2º trimestre (Síndrome de Down)
 
- Faz o rastreio de risco de parto pré-termo (parto antes da 33ª sem) através da medição do comprimento do colo uterino com sonda vaginal.
 
- Faz o rastreio de pré-eclâmpsia, hipertensão e restrição de crescimento fetal através do Doppler materno das artérias uterinas.
 
No final do exame tentaremos sempre realizar uma ecografia 3D como complemento do exame.
 
Ecografia de 3º Trimestre (31 - 32 sem)
 
Avalia o crescimento e sinais biofísicos de bem estar fetal. É completada com a avaliação dos fluxos sanguíneos com Doppler do cordão umbilical e fetal.
 
No final do exame tentaremos sempre realizar uma ecografia 3D como complemento do mesmo.
 
 
Ecocardiograma fetal (24 - 25 sem)
 
É um exame minucioso dirigido ao coração do feto. É observado o seu interior (4 cavidades, válvulas, paredes do coração) bem como as artérias e as veias que saem deste, permitindo o diagnóstico de malformações cardíacas fetais. Pode ser realizada a partir do primeiro trimestre mas é realizado preferencialmente entre as 24-25 semanas de gestação, altura em que as estruturas cardiacas estão bem desenvolvidas e o tamanho e posição fetal permitem o melhor estudo do coração. São consideradas indicações para a realização do ecocardiograma fetal:
 
Causa familiar
- História familiar de cardiopatia congénita nos pais e irmãos do feto.
- Risco específico de ocorrência no feto de síndrome com cardiopatia.
 
Causa materna
- Diabetes não gestacional; fenilcetonúria
- Doença do colágeno; doenças auto-imunes
- Infecção materna
- Medicação (nomeadamente anticonvulsivantes)
- Exposição significativa a tóxicos teratogênicos no início da gravidez, incluindo o álcool
 
Causa fetal
- Dificuldades técnicas no estudo do coração fetal designadamente, a não identificação de 4 câmaras proporcionadas e duas grandes artérias em planos cruzados.
- Suspeita de cardiopatia na ecografia obstétrica
- Alterações no liquido amniotico e derrames fetais
- Malformações fetais extra-cardíacas
- Translucência da nuca aumentada
- Alteração cromossómica não equilibrada
Doppler Color
 
É uma técnica especial de ecografia que permite estudar a circulação sanguínea da placenta (artérias umbilicais), do feto (artéria cerebral média, ductus venoso....) e da mãe (artérias uterinas).
 
da placenta
- permite observar o fluxo de sangue no cordão umbilical e avaliar o estado de bem estar do feto.
 
do feto
- quando há alteração no fluxo de sangue no cordão umbilical são avaliados vasos fetais (artéria cerebral média, ductus venoso) para avaliar se há comprometimento fetal e necessidade de adiantar o parto do bebé.
- no 1º trimestre é avaliado o ductus venoso que além de marcador cromossómico é também um marcador de malformações cardíacas.
 
da mãe
- a avaliação da circulação sanguínea materna permite fazer o rastreio de algumas situações clínicas (pré-eclampsia, restrição do crescimento fetal...)
- o rastreio com alta resistência ou com existência de “notches” na artéria uterina permite identificar as gravidas de risco e dar um acompanhamento mais adequado e contínuo.
 
Ecografia 3D / 4D
 
É uma tecnologia relativamente nova que permite uma reconstrução volumétrica das estruturas, seja estática (3D) ou em tempo real (4D) obtendo imagens muito mais reais e compreensiveis para a família, especialmente em relação à face e extremidades.
 
Segundo estudos recentes, a visão da cara do bebé pode criar mesmo antes do parto uma ligação afectiva entre os pais e o filho/a.
 
Embora possa ser realizado em qualquer momento da gravidez, existe uma série de condicionantes para poder realizá-la (posição adequada do feto, quantidade de liquido amniotico) e assim é entre as 25-30 sem o melhor período para obter a ecografia 3D com adequada visualização tridimensional da cara fetal.
 
Antes da ecografia 3D e 4D realizaremos sempre primeiro uma ecografia morfológica para o diagnóstico de possíveis problemas fetais.
Rastreio Bioquímico
 
1º Trimestre - efectuado das 9 às 13+6 semanas (idealmente da 9ª à 10ª semana); é colhido sangue da grávida para medição de 2 hormonas da placenta (B-HCG e PAPP-A). É efectuado integrado no rastreio combinado de 1º trimestre juntamente com os dados ecográficos e a idade materna.
 
2º Trimestre - efectuado entre as 16-20 semanas. É colhido sangue para medição de 4 hormonas (B-HCG, alfafetoproteína (AFP), inibina-A e do estriol (uE3)). Tem uma taxa de detecção de apenas 60% devendo ser realizado apenas quando o rastreio combinado do 1º trimestre não foi possível.
 
Exames invasivos (amniocentese)
 
A amniocentese é um procedimento invasivo que consiste na colheita de liquido amniótico (liquido que se encontra à volta do feto) usando uma agulha fina através da parede abdominal e do útero. É realizada sob visualização directa da progressão da agulha por ecografia de modo que este não atinja o feto. Ao fim de alguns dias o líquido retirado é refeito através da produção de líquido pelo próprio feto.
O líquido amniótico contém células do bebé, as quais permitirão o estudo dos cromossomas. Além das anomalias cromossómicas detecta também doenças metabólicas, infecções congénitas e estudo de DNA para patologias especificas (síndromes genéticos).
 
O tempo médio do resultado de uma amniocentese é de 14-21 dias, podendo ser feita uma análise rápida das principais cromossomopatias e sexo fetal em 2- 4 dias. (método FISH ou PCR).
 
A segurança da amniocentese foi estudada cuidadosamente, é realizada habitualmente, por volta da 16ª semana de gravidez e 1 em cada 100 - 200 (0,5 - 1%) de mulheres poderão abortar em consequência do procedimento.
 
Cuidados após amniocentese (3 dias após a realização do exame)
- não ter actividade sexual
- evitar esforços físicos violentos
 
O que pode sentir após a amniocentese?
No primeiros dias após a realização do exame poderá sentir algum desconforto na barriga, semelhante às dores menstruais, ou verificar perda de liquido muito escasso. Estes sintomas são relativamente frequentes e não devem à priori ser preocupantes.
As dores cedem à medicação com paracetamol, e na grande maioria dos casos a gravidez evolui sem complicações. No entanto deve ir imediatamente ao serviço de urgência se: sentir dor forte de barriga, perda abundante de liquido, perda de sangue e se tiver febre.
 
       
     
       
  Ecografia    
     
     
     
     
     
     
       
  Exames Pré-Natais    
     
     
       
       
 
  Download  
  Ecografia Obstétrica - Para que serve?  
  Rastreio do Síndrome de Down (e outras cromossomopatias)